Estocolmo: onde heranças de cultura e realeza se integram a um estilo de vida moderno e despretensioso

Sempre pensei em Estocolmo como uma cidade onde harmonia, cooperação e ordem são imperativas, onde tudo parece estar no lugar certo. Cidadãos respeitosos e educados, ruas impecáveis e tranquilas, prédios impressionantes e paisagens mesmerizantes. Isso sem mencionar a longa confiança entre Estado e população: tão grande a ponto dos cidadãos nunca se queixarem de pagar impostos; que por sua vez são altos, mas voltam para eles em forma de estradas decentes, bom sistema de saúde, bibliotecas e licença parental.

Mas havia algo escondido atrás da minha percepção. É verdade que tenho nutrido uma imagem nostálgica e curiosa sobre Estocolmo em grande parte por causa da influência do meu pai. Ele passou alguns anos maravilhosos de sua vida lá, como ele mesmo descreveu, há muito tempo, antes de falecer. Independentemente de carregar a impressão do meu amado pai, pude sentir na pele todo esse "perfeccionismo" sobre o caráter dessa cidade e muito mais.

A maioria das capitais europeias tem monumentos, museus e igrejas de cair o queixo, quase que grosseiramente imponentes - e, não me entendem mal, este é um elogio já que eu amo arquitetura, principalmente as mais rebuscadas. Em Estocolmo, por outro lado, ouso dizer que essas construções têm uma delicada semblância, quase como se você pudesse passar e nem perceber que estão lá. Isso não significa que sejam menos bonitas ou menos proeminentes, de modo algum. Mas elas se entrelaçam com a natureza de uma maneira muito original, portanto, criando um equilíbrio sutil que dá aos nossos olhos uma perspectiva suave. Para mim, isso faz toda a diferença.

Façade of the Lydmar Hotel in Stockholm
Park and nature in Stockholm during autumn season

O arquipélago de Estocolmo

Não é surpresa que sendo um arquipélago formado por 30 mil ilhas, ilhotas e rochas, a natureza desempenha um papel crucial no etos do país: razão pela qual os suecos são tão conectados com o ar livre. Eles amam passar tempo fora e se sentirem em sintonia com a natureza. Ou seja, apesar do fato de que a cidade tenha árvores lindas, parques e seja cercada por água, as pessoas gostam de escapar da cena urbana para explorar cantos mais selvagens.

Se você ama florestas, montanhas e praias, há muito para explorar: caminhadas, trekking, vela, caiaque, esqui, patinação no gelo, entre tantos outros. Toda estação tem algo a oferecer; além disso, suecos em geral tendem a ser muito esportivos para inclusive lidar com o extremo frio prolongado por meses.

Se eu puder deixar um conselho, dê uma olhada no site oficial da cidade onde há muita informação útil e inspiradora sobre o que fazer quando se trata de atividades externas: https://www.visitstockholm.com/

The Old Town known as Gamla Stan in Stockholm

Estocolmo em bairros

Gamla Stan: se o período medieval lhe chama atenção tanto quanto me atrai, vale a pena passar um bom tempo nesta área. Também chamada de cidade velha, é um dos maiores e melhor preservados centros medievais da Europa. Como Estocolmo foi fundada e construída em torno de Gamla Stan, em 1252, imagine só quantos segredos esta área esconde e que nenhum livro de história seria capaz de testemunhar! Além disso, algumas das principais atrações que mais valem a pena estão localizadas nesse bairro, como o Museu do Prêmio Nobel, o Palácio Real e a Catedral de Estocolmo. Lojas de artesanato e lembrancinhas, cafés, restaurantes e pubs imperdíveis também estão espalhados por todas as encantadoras ruas de paralelepípedos de Gamla Stan.

Södermalm: também conhecido como Söder, este distrito cheio de jovens tornou-se uma das áreas mais hippsters em Estocolmo graças a uma combinação instigante de bares, restaurantes e lojas de design cuja consistência em qualidade e criatividade os distinguem da chamada efêmera cena de locais da modinha. O bairro é o lar das experiências culinárias mais inesquecíveis que tive na cidade. Além disso, o museu de fotografia renomado internacionalmente, Fotografiska, também é baseado lá, bem como o maior ponto natural do centro de Estocolmo, chamado Skinnarviksberget, de onde se aprecia uma vista deslumbrante! Pessoalmente, esta é uma região onde eu recomendaria se hospedar.

The typical Gatukök kiosk in Stockholm
The narrow street of Mårten Trotzigs Gränd in Stockholm

Djurgården: esta é uma ilha no centro de Estocolmo que você certamente não quer perder por nada! Os museus mais icônicos que valem a pena visitar na capital sueca estão todos localizados nesta área verde, como o Museu Vasa, o Waldemarsudde do Príncipe Eugen, Junibacken, Skansen e o Museu Nórdico. Um equilíbrio perfeito para os amantes de cultura que dedicam horas em galerias é deixar-se levar durante uma longa caminhada no Royal Djurgården Park, anteriormente o parque esportivo da Família Real.

Östermalm: este bairro residencial de personalidade posh tem edifícios magníficos que dificilmente cansamos de admirar. Marcas escandinavas e internacionais de luxo também contribuem para esta credencial extravagante, bem como o delicioso mercado Östermalmshallen (eu amo sua vibe vintage que nos leva de volta a 1888): uma visita obrigatória para os amantes de comida. Além de seu ambiente afluente, Östermalm também oferece uma grande vida noturna provando seu caráter versátil.

Assortment of products inside the shop Iris Hantverk in Stockholm
The traditional Swedish souvenir Dalecarlian Horse
Traditional Swedish Xmas gifts at the shop Illums Bolighus Stockholm

Cultura e os melhores museus de Estocolmo

Tendo a acreditar que quando visitamos uma capital pela primeira vez, pelo menos cinco dias são necessários para absorver sua essência. Quando se trata de museus e galerias, Estocolmo tem uma cena tão diversificada que dificilmente se encaixará em menos de uma semana. Há museus para todos os gostos: escandinavos, nórdicos, arte moderna, arte contemporânea, arte clássica, fotografia, vikings, realeza e muito mais.

Sem mencionar o icônico Museu do Prêmio Nobel: um espetáculo de instituição que prende a nossa atenção a partir do minuto em que entramos. Sua curadoria é tão precisa e interativa que nos faz mergulhar nos laureados e suas descobertas de ruptura sem notar que já estamos lá dentro há horas. É realmente único! Somado a ele, que eu naturalmente considero imperdível, aqui estão mais alguns que eu adorei visitar e recomendo de olhos fechados:

Façade of the Royal Dramatic Theatre in Stockholm
Neo-gothic façada of the Artist House Konstnärshuset in Stockholm

Fotografiska: é o maior museu de fotografia do mundo, principalmente dedicado às obras contemporâneas. Independentemente de você ser ou não amante de foto, não pense duas vezes e vá conhecer este lugar fantástico. Sua localização costeira é linda e garante uma vista maravilhosa do restaurante do andar superior: comida deliciosa, a propósito. Além disso, economize algum tempo (e dinheiro) para visitar a lojinha do museu. Você não vai se arrepender!

Prins Eugens Waldermarsudde: a casa-castelo onde o ex-pintor e príncipe Eugens viveu e prosperou antes de falecer em 1947 provavelmente tem os quartos mais belíssimos que já vi em toda minha vida. Quando fecho os olhos, ainda posso imaginar a combinação assertiva entre Art Déco e Art Nouveau com um design de interiores super moderno, cujos detalhes inesquecíveis me trazem à memória um candelabro dourado, delicadas mobílias antigas e tapeçarias regal. Arranjos de flores vibrantes decoram todos os quartos e lhes dão uma aparência bem conservada.

Uma vez lá, os antigos apartamentos privados de Eugens também podem ser visitados, onde claramente percebemos o quão preservados ainda são, sendo que alguns deles possuem muito de seu próprio trabalho. Em paralelo, apresenta várias exposições temporárias que geralmente mostram importantes artistas escandinavos. Os edifícios e galerias são cercados por jardins onde vale a pena um passeio.

*Além desta maravilhosa visita, o local está localizado na linda ilha de Djurgården, onde acontecem muitas outras atrações. Uma boa ideia é combinar Prins Eugens e Vasa Museum no mesmo dia e poupar um tempinho para explorar a área verde da qual esta ilha tem muita. Também sugiro ver o pôr do sol em qualquer ponta do litoral desta área. Eu garanto: será o final perfeito para essa experiência.

Inside room view at the Prins Eugens Waldermarsudde museum
Dining room at the Prins Eugens Waldermarsudde museum in Stockholm
Inside the former house of the Prins Eugens Waldermarsudde in Stockholm

Hallwyl: jantares suntuosos, salas de bilhar, de jogos e para fumantes, juntamente com mármore sueco verde em todas as paredes decoradas com magníficas pinturas antigas: o estilo de vida fascinante da rica família Van Hallwyl é maravilhosamente representado neste museu. Criado pela condessa Wilhelmina von Hallwyl (1839-1921), grande colecionadora de arte, ela fez questão de estabelecer uma casa única para manter sua tradição viva. Dizem que esta foi provavelmente uma das propriedades privadas mais caras já construídas na Suécia.

Vasa Museum: honestamente, eu não estava disposta a visitar este museu. Não sou muito atraída por barcos e artefatos do mar. Mas devo admitir que estava enganada: do momento em que entrei, imediatamente mudei de idéia e pude entender porque tantas pessoas me encorajaram visita-lo. Que museu, uau! Os suecos gostam de considera-lo como o "fracasso mais bem sucedido" na história do país. Vasa é o nome de um navio que afundou em 1628 após navegar apenas 1.300 metros. Após 333 anos no fundo do mar, Vasa foi trazido para a superfície (nos anos 50) e pode ser admirado por todos neste museu. Além disso, Vasa é o maior navio de madeira já levantado e conservado (95% dele é original): graças a enormes esforços e tecnologia de ponta, somos capazes de contemplar esse pedaço maravilhoso da história sueca. Não por acaso, este gigante atrai milhares de visitantes todos os anos.

P.s: a Suécia não é um país religioso, e por isso não há muitas igrejas em toda a cidade (quando comparada com outras capitais européias). As que eu acredito valerem a pena visitar, no entanto, são Storkyrkan e St Jacobs Kyrka.

Panorama view of the Vasa boat inside the Vasa museum in Stockholm
Details of the Vasa boat
The Vasa Museum in Stockholm
Colorful details of the Vasa boat replica

Estações de metrô

Não há visita a Estocolmo sem admirar suas estações de metrô de tirar o fôlego que escondem obras de arte verdadeiramente impressionantes. Graças a uma nova ideologia política conhecida como "folkhemmet" (a casa do povo), que foi liderada pelo Partido Social Democrata Sueco, arte tornou-se mais acessível à comunidade sueca menos endinheirada no final dos anos 50. Sendo assim, um boom cultural desde então e até hoje muitos artistas ainda são comissionados para dar um novo propósito ao subsolo da cidade. Na minha opinião, as estações mais lindas são T-centralen, Rådhuset, Thorildsplan e Kungsträdgåren.

Subway station Kungsträdgården in Stockholm
T Centralen subway station in Stockholm
Inside the Rådhuset subway station in Stockholm
A man walks by the Thorildsplan subway station in Stockholm

Gastronomia e onde comer em Estocolmo

Inventiva, contemporânea, equilibrada e maravilhosa. Todos esses atributos combinados definem a cena culinária sueca. Primeiro de tudo, restaurantes em Estocolmo estão explodindo com chefs criativos. É como se eles tivessem um canvas branco em suas cozinhas onde projetam, todos os dias, um capítulo diferente com a combinação mais interessante e inesperada de sabores e texturas. O fator surpresa que vem em todos os pratos está de mãos dadas com consistência. É realmente uma experiência incrível comer em Estocolmo.

Por causa da localização do país, não há dúvida de que frutos do mar fazem parte de sua tradição culinária. Eles têm uma abundância de peixes como anchova, arenque (preparado em muitas receitas), salmão, bacalhau e muitos outros brancos. Mas grande parte de gastronomia do país recebe influência internacional, seja da França (molhos cremosos), Turquia (almôndegas e kebabs), Itália (lasanha), México (Taco), entre outros.

Por outro lado, eles apóiam os agricultores locais cujas terras crescem uma variedade deliciosa de vegetais (curiosamente, beterraba está no menu de todos os restaurantes!). Por falar nisso, os vegetarianos não precisam se preocupar já que opções não faltam: embora não sejam extensos, de 10 pratos de um restaurante, eu diria que pelo menos dois deles atendem àqueles que amam os verdes. Veganos, porém, acharão um pouco mais desafiador ficarem satisfeitos.

The traditional Swedish pastry Kanelbulle at the Ostermalms Saluhall market in Stockholm
The Swedish famous food court Ostermalms Saluhall in Stockholm
Typical Swedish bread at a supermarket in Stockholm

É hora da Fika!

Na Suécia, as pessoas sempre têm uma boa desculpa para petiscar algo doce - tanto que existem dias específicos do calendário designados para a celebração de especialidades açucaradas. Cinnamon Bun Day (Kanelbullens Dag) é comemorado em 4 de outubro, por exemplo.

Se você é tipo formiga, prepare-se: eles também são loucos por doces e estão sempre achando tempo para fazer uma boquinha. Na verdade, fazer uma ou duas pausas por dia é um hábito nacional com o qual eles se importam muito. Tanto que há um nome para isso: "Fika", que significa literalmente ter tempo para apreciar a vida ou conversar com um amigo enquanto bebe uma xícara de café acompanhada por algum docinho.

Aqui está uma lista dos meus restaurantes e cafés favoritos onde o staff é tão amigável e experiente que sua experiência se tornará ainda mais valiosa:

Woodstockholm: sempre que saio sozinha ou em casal, tento me sentar atrás do balcão; neste bar não foi diferente. Além da incrível comida, cada mordida me transportava ao céu. Bela lista de vinhos também.

Bar Agrikultur: difícil descrever em palavras o que meu coração (e estômago!) sentiu; mas eu posso garantir que você dificilmente provará uma refeição como essa. Pequenas porções especialmente feitas para serem compartilhadas.

Café Nizza: vindo de uma família italiana, não posso deixar de ser crítica quando se trata de massas. Mas não precisei ser neste lugar. Antes do prato principal, pedi vegetais deliciosos que certamente valem a pena provar. Vinhos naturais ou biodinâmicos de regiões incomuns coroam a experiência.

The kitchen of the Café Nizza in Stockholm
A vegetarian recipe with beetrot at the Bar Agrikultur in Stockholm
A vegetarian recipe served at the Woodstockholm restaurant in Stockholm

Babette: sempre badalado e comida maravilhosa. É uma espécie de instituição considerada por moradores e turistas como um lugar onde não tem como dar errado.

Johan & Nystroom: não se intimide pelo número de jovens enfileirados à espera de um sanduíche fresco e tão bem preparado aos finais de semana: a fila vale a pena. Também recomendo seus doces e café torrado.

Bistro Bananas: hot spot há muitos anos, tem um ambiente despretensioso que chamou minha atenção junto com pizzas muito saborosas.

Ostermalms Saluhall: este é um dos mercados de comida mais distintos do mundo e que você certamente vai amar, especialmente se o seu orçamento for generoso. Se não, basta ir para uma visita porque sua arquitetura é realmente única, e você pode sentir a vibração nostálgica que remonta a 1888.

Preços: Tenha em mente que comer fora pode ser muito caro. Entrada, prato principal, sobremesa e um copo de vinho, por exemplo, podem facilmente custar 100 euros (R$ 617).

Rede de transporte

A abundância de água é uma grande vantagem para se deslocar de um lugar para outro. Existem várias balsas gratuitas que conectam as principais ilhas que cercam o centro da cidade (você provavelmente pegará um ferry para visitar alguns dos museus acima mencionados). É uma delícia se mover entre as ilhas enquanto admira a paisagem. Eu recomendo fazer um daqueles típicos passeios de barco de 2,5 horas que lhe darão uma perspectiva clara de como Estocolmo é lindamente projetada (confia em mim, este não é daqueles passeios cafonas!). Embora seja bastante normal ver barcos privados passeando pela água, a maioria dos suecos tem sua própria bicicleta. Eles também favorecem o eficiente sistema de transporte público.

Sea view from the window at the Fotografiska museum café
Decor details at the Skroten Cafe Skeppshandel in Stockholm

Quando visitar Estocolmo

Estocolmo é uma cidade escandinava, portanto, a proximidade com o Pólo Norte não lhe poupará de um inverno muito rigoroso. Se você é fã de temperaturas frias e neve, provavelmente não terá medo do quão congelado o clima pode ser entre novembro e fevereiro. Mas se eu puder sugerir uma temporada que eu considero carregar um bom equilíbrio, seria o começo do outono (outubro). O contraste da mais profunda luz do céu azul com a paleta amarelada de árvores e plantas é algo verdadeiramente pitoresco! O verão não é uma má ideia: embora eu nunca estive lá durante a estação mais ensolarada, consigo apenas imaginar como deve ser maravilhoso nadar em suas praias urbanas cristalinas...

Dicas para não errar em Estocolmo

*Os custos não são exatamente comparáveis a outras capitais europeias: Estocolmo é um pouco mais caro;

*Hotéis e B&B's têm estilos e preços que se encaixam no orçamento de qualquer um (não posso recomendar nenhum especificamente porque me hospedei em um apartamento Airbnb que é ótimo se você viaja com uma mente aberta);

*Os táxis são caros / Uber um pouco menos (eu prefiro usar transporte público ou bicicleta);

*É uma cidade muito segura, qualquer dia a qualquer momento;

*O consumo de álcool é controlado e distribuído pelo Governo. Existem lojas específicas chamadas Systembolaget, onde pode-se comprar bebida. Elas têm tempos de abertura limitados aos sábados e não abrem aos domingos (basicamente para evitar que o passado alcoólico abusivo de seus cidadãos volte a atormentá-los);

*Pubs: eles se estendem por toda a cidade e servem boa comida e boa música ao vivo. Não perca a chance de visitar um (especialmente às sextas-feiras ou sábados, quando você terá a chance de ver como os suecos se transformam de indivíduos introspectivos e tímidos a extremamente, digamos, "fora da caixa"). Meus favoritos estão no bairro Gamla Stan: O'Connell's Irish Pub; Wirströms Pub e Stampen.

Comentários

O comentário será moderado pelo admin antes de ser exibido